Werther Santana/Estadâo
Werther Santana/Estadâo

Bolsa brasileira retoma instabilidade na tarde desta sexta-feira

Recuo forte nas ações da Petrobrás pesa no Ibovespa depois que a companhia informou declínio em sua produção no segundo trimestre e ainda reduziu a meta para 2019

O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2019 | 13h25

A Bolsa brasileira retoma a instabilidade nesta tarde de sexta-feira, 26, e opera abaixo dos 103 mil pontos, apesar da alta em Nova York. O recuo forte nas ações da Petrobrás pesa no Ibovespa, o índice com as ações mais negociadas no País, depois que a companhia informou declínio em sua produção no segundo trimestre e ainda reduziu a meta para 2019. Os investidores seguem em compasso de espera pelas reuniões de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) e do Comitê de Política Monetária (Copom), que acontecem na semana que vem. 

 

PIB americano 

No segundo semetre. o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos reduziu o rtimo de crescimento, saindo de 3,1% para 2,1% no ano, mostrou o Departamento do Comércio nesta sexta-feira, 26. Com isso, cresce a expectativa em torno da reunião do Fed na semana que vem. O mercado aposta num corte de juros na maior economia do mundo, já que a inflação está também sob controle. 

EUA x China 

O diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que não espera a imposição de novas tarifas sobre importações chinesas se as negociações com Pequim na semana que vem forem produtivas. Por outro lado, caso as discussões não sejam "boas", "as tarifas são um instrumento" que pode ser usado, declarou.

No dia 30 de julho, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e o representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, estarão em Xangai para retomar as negociações de um acordo comercial entre as duas potências econômicas. 

Temporada de balanços 

O McDonald's registrou lucro líquido de US$ 1,52 bilhões no segundo trimestre, ou US$ 1,97 por ação, um leve avanço em relação ao ganho de U$ 1,90 por ação contabilizado em igual período de 2018, mas abaixo da projeção de analistas consultados pelo FactSet. O lucro por ação ajustado, contudo, chegou a US$ 2,05, em linha com a previsão. 

Fusão 

A holding International Meal Company (IMC), dona das redes Frango Assado e Viena, assinou acordo de fusão nesta sexta-feira, 26, com a MultiQRS, detentora dos direitos de master-franquia da Pizza Hut e KFC no Brasil. O empresário Carlos Wizard e seus filhos Charles Martins e Lincoln Martins, donos da MultiQRS, receberão, em conjunto, 29.387.930 ações ordinárias da IMC, equivalente a 15% do total. 

Cielo 

Após subir 14% em apenas uma semana impulsionada por declarações otimistas, as ações de Cielo passam por um realização de lucros e recuam 0,90%. Somente na quarta-feira, 24, quando a empresa divulgou o balanço e o presidente, Paulo Caffarelli, disse que a companhia está focada em inverter o perfil da sua base de clientes, com predominância das grandes contas, o papel subiu 13%. 

Ambev 

Após fecharem em alta de quase 9% na sessão de ontem impulsionadas pelo balanço trimestral, as ações ON de Ambev expandem os ganhos nesta sessão, após o JPMorgan elevar a recomendação do papel de underweight (abaixo da média do mercado) para neutra (em linha com a média no mercado). O preço-alvo é de R$ 21,50, o que implica potencial de alta de 10% em relação ao último fechamento. Às 12h25, o papel avançava 1,23%. / Nicholas Shores, Flavia Alemi, Silvana Rocha, Maria Regina Silva, Luciana Antonello Xavier e Bruno Caniato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.