André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Presidente do BNDES defende simplificação tributária

Dyogo Oliveira crê que tributação possa ser concentrada em apenas algumas etapas da economia ou sobre produtos específicos

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2018 | 16h06

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, defende que o sistema tributário nacional possa ter uma simplificação radical com concentração da incidência dos tributos em apenas algumas etapas da economia ou sobre produtos muito específicos. A adoção de alíquotas de cerca de 6% no consumo e de 15% sobre alguns produtos concentrados, diz Dyogo, poderia simplificar radicalmente o sistema e ainda manter a arrecadação nos níveis atuais. 

+ Tesouro projeta rombos na Regra de Ouro de 2018 a 2021

"Nós teríamos uma arrecadação semelhante àquela que temos hoje sem toda essa confusão dos tributos. Seriam alíquotas reduzidas e mais simples de arrecadar", disse, ao apresentar linhas gerais de uma proposta de reforma tributária no lançamento de um livro organizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com a Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal (OAB-DF).   

O presidente do BNDES deu como exemplo a tributação existente atualmente sobre o aço que pode, em algumas situações, registrar cobrança de impostos em cada um dos oito elos da cadeia produtiva. No exemplo mencionado, seriam isentos: a produção de aço, da placa de aço, da peça e da parte feita a partir do aço e somente o produto final seria tributado.

+ Governo central tem superávit primário de R$ 7,187 bi em abril

Nesse modelo, diz o presidente do BNDES, "80% das operações seriam isentas e a tributação ficaria concentrada onde é fácil fiscalizar". A fiscalização seria facilitada porque seriam tributadas apenas algumas mercadorias - como veículos ou bebidas - e no varejo, que é cada vez mais concentrado e informatizado. "A cumulatividade se resumiria a uma parcela mínima", disse Oliveira. 

+ Governo vai usar 'todo poder de polícia' para garantir desconto de diesel

O presidente do BNDES disse estar aberto a eventual modelo com um tributo sobre valor agregado compartilhado entre governos estaduais, municipais e a União. "Seria uma maneira de complementar a informação e o sistema ganharia. Para isso, seria necessário ter integração entre as administrações", disse. 

+ Para mercado, novo presidente não mudará política de preços da Petrobrás

Durante o lançamento do livro no auditório do Ipea na capital federal, Dyogo Oliveira reconheceu que o noticiário recentemente tem sido negativo, mas a situação econômica não seria tão ruim. "Quando olhamos jornais e o WhatsApp, parece que estamos rumo a um cataclisma. Isso não é, nem de longe, a realidade. Na verdade, estamos às margens de um grandioso ciclo de crescimento econômico", defendeu. 

Oliveira argumenta que o Brasil conseguiu nos últimos anos resolver problemas crônicos, como a inflação e a fragilidade do setor externo. Com a aprovação do teto de gastos, faltaria apenas a aprovação da reforma da Previdência para que a outra fragilidade nacional - a fiscal - pudesse ser resolvida, defende. Caso a reforma da Previdência seja aprovada, argumenta, a reforma tributária tem de começar a caminhar no dia seguinte para que, finalmente, o Brasil possa começar a atacar os problemas que afetam a produtividade da economia nacional. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.