Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Sindicato sugere que postos limitem abastecimento de combustível por consumidor

Presidente do Sincopetro voltou a afirmar nesta segunda que ainda não há entrega normal de combustível aos postos, somente com escolta

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

28 Maio 2018 | 10h41

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), José Alberto Gouveia, sugeriu nesta segunda-feira, 28, que os postos de gasolina fracionem a quantidade de combustível abastecida por consumidor quando houver normalização. Gouveia disse que, após encerrado o movimento, os postos voltarão a ter combustível em até três dias e nos mercados o prazo previsto para retorno à normalidade é de até uma semana. 

"O posto não pode proibir (que o consumidor encha o tanque), não pode fazer 20 ou 30 (litros). Mas às vezes há uma boa vontade. Dois podem ter 20 ou 30, em vez de um só consumidor ter 60. Então, dois ou três abastecem em um lugar. É uma medida tipo o supermercado. O supermercado determina a quantidade (de produtos que os consumidores podem comprar). Talvez o posto tenha que fazer isso para ter uma capilaridade maior de abastecimento", disse o presidente do Sincopetro em entrevista à Rádio Eldorado

+ Greve dos caminhoneiros entra na 2ª semana; acompanhe ao vivo

+ Motoristas de vans escolares protestam em SP nesta segunda

No domingo, Gouveia disse que não sabe de onde vem a gasolina que abastece os postos de gasolina em São Paulo. Ele voltou a afirmar, nesta segunda, que sem escolta o combustível ainda não está chegando aos postos. "Ainda estamos com as bases travadas. Ainda não temos entrega normal. As entregas são feitas com proteção, escolta. Mas entrega normal, infelizmente, não", disse. 

O presidente do Sincopetro admitiu que, em meio à paralisação de caminhoneiros, alguns postos venderam combustível por um preço mais caro. Ele condenou o ato. "Existem, sim, alguns que tentaram se aproveitar. Mas não foi o posicionamento da minha categoria. A minha categoria vendeu o produto no preço normal. Um ou outro teve essa ideia de ganhar um pouco mais. Essa é a decisão de cada um", afirmou.

+ Entenda a greve dos caminhoneiros

+ Leia os relatos enviados ao 'Estadão' sobre o impacto da greve

+ Como a greve afeta a sua região? Envie o seu relato pelo WhatsApp (11) 99439-3766

+ Petroleiros convocam dia de mobilização nesta segunda-feira

+ Saiba a situação dos serviços essenciais na capital paulista

Em relação ao anúncio do presidente Michel Temer, que reduziu R$ 0,46 no preço do diesel por 60 dias, Gouveia disse que é preciso checar se medida de fato vai beneficiar os donos dos postos. "Acho uma ótima ideia, mas ele tem que fazer primeiro a companhia me vender 0,46 centavos mais barato. Não é justo o governo falar que vai baixar e nós não recebermos o repasse disso", disse ele. "Nesses últimos tempos, toda vez que o governo fala um valor, esse valor nunca chega ao posto."

País

De acordo com Paulo Miranda Soares, presidente da Federação Nacional de Combustíveis, representante dos sindicatos de postos de gasolina do País, a situação de distribuição ainda é bastante crítica. "Mesmo com a escolta dos agentes de segurança pública, os motoristas que estão transportando combustível para hospitais, postos e aeroportos estão com medo de represálias". Circulam áudios com ameaças de queimar os caminhões após a entrega.

+++ AGU orienta PRF a aplicar multas que chegam a R$ 100 mil por hora

Apesar do cenário pouco animador, a distribuição de combustível começa a melhorar, especialmente nos estados do Norte e Nordeste. Soares explica que a situação menos crítica nessas regiões é a de que porcentual expressivo dos combustíveis chega por transporte marítimo e as bases de distribuição são próximas aos portos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.